O isolamento para reduzir a mortandade provocada pelo coronavírus levou à paralisação das economias e à necessidade de os governos intervirem para, em primeiro lugar, salvar os mais pobres. Como, nesse mundo tão desigual em que vivemos? Uma resposta em três capítulos. O primeiro deles, em três partes

Parte 1. É segunda-feira, 8 de junho, dia de pagamento das prestações da chamada  “ajuda emergencial do governo federal aos trabalhadores informais”, um benefício mensal, em três parcelas de 600 reais cada, que já beneficia mais de 50 milhões de pessoas.

Parte 2. A Rocinha cresceu nas últimas décadas do século passado. Hoje tem cerca de 100 mil moradores; eram perto de 35 mil em 1980; e de 70 mil em 2005. Uma comparação que se pode fazer é com outra região famosa da chamada Zona Sul do Rio de Janeiro, Copacabana.

Parte 3. No final de junho, quando estava sendo concluído este artigo, a ajuda aos mais pobres para atravessar a epidemia do coronavírus já tinha beneficiado, segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), que a distribuía, 64,1 milhões de pessoas, com 1,8 mil reais pagos em três parcelas mensais.

Kriança Índia - Rafa Campos

Crônicas gráficas

Foicebook ☭​

Uma reportagem em quatro capítulos por Raimundo Rodrigues Pereira , Rogério Pacheco Jordão e Marcio Bueno sobre a polícia do Rio de Janeiro, a que mais mata no mundo.

Capítulo 1. Na segunda-feira, dia 18 de maio, agentes da Core – Coordenação de Recursos Especiais da Polícia Federal e da Polícia Civil do Rio de Janeiro, atacaram com granadas e tiros uma casa na Praia da Luz, na Ilha da Itaoca, em São Gonçalo…

Capítulo 2. Estamos no Rio de Janeiro, zona norte, no chamado Complexo do Alemão, área com cerca de 70 mil moradores, uma das mais pobres da cidade. Mais precisamente, estamos entre as duas últimas estações do teleférico…

Capítulo 3. Começamos nossa investigação na segunda-feira, dia 18, pelo Complexo da Penha, na face norte da Serra da Misericórdia. Por ali, em fins de novembro de 2010, no final do segundo governo Lula começou o que seria…

Capítulo 4. É terça-feira, 26 de maio, último dia de nossa reportagem no Alemão. Estamos no final da rua Guadalajara, esquina com uma ruazinha curta chamada Mexicale. Para um morador do local, que está ali há décadas…

Mais Nocaute

Corner

“Qualquer outro candidato que tivesse sido eleito, nós não estaríamos aqui falando dessa aberração. O único livro que o presidente da República citou até hoje foi o livro de um torturador”.

( Milton Hatoum, escritor, na live Sempre um Papo)

Corner

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no vk
Compartilhar no email