Mundo

Kim e Trump assinam acordo "importante e integral" para desnuclearização

Os governantes da República Popular Democrática da Coreia (RPDC), Kim Jong-un, e dos Estados Unidos, Donald Trump, firmaram nesta terça-feira (12) um documento considerado “muito importante e integral”, onde a Coreia do Norte se comprometeu com o desmonte do seu programa nuclear. O encontro aconteceu em Singapura
Os dois países “decidiram deixar o passado para trás” e “o mundo verá uma grande mudança”, segundo Kim, que assinou uma declaração de quatro itens durante o encontro com o chefe de estado americano
Trump considerou o documento “bastante completo” e diz que a RPDC e os EUA estabeleceram uma ligação especial após a assinatura. O presidente americano afirmou que irá convidar Kim a visitar a Casa Branca. “Aprendi que ele é um homem muito talentoso que ama muito seu país. É um negociador de valor, que negocia em benefício de seu povo”, afirmou Trump, elogiando o líder norte-coreano.
O documento assinado por Trump e Kim nesta terça possui quatro pontos:
1 – EUA e Coreia do Norte se comprometem a estabelecer relações de acordo com o desejo de seus povos pela paz e prosperidade;
2 – Os dois países irão unir seus esforços para construir um regime de paz estável e duradouro na península coreana;
3 – Reafirmando a Declaração de Panmunjon, de 27 de abril de 2018, a Coreia do Norte se compromete a trabalhar em direção à completa desnuclearização da península coreana;
4 – Os EUA e a Coreia do Norte se comprometem a recuperar os restos mortais de prisioneiros de guerra, incluindo a imediata repatriação daqueles já identificados.
O local do encontro foi o luxuoso hotel Capella, na ilha de Sentosa, famosa por suas praias turísticas e seus campos de golfe. Singapura designou partes de sua região central como uma “zona especial”, implantando um rigoroso sistema de segurança. O espaço aéreo sobre a rica cidade-Estado está temporariamente restrito durante partes dos dias 11, 12 e 13 de junho.
Mais Nocaute:

Datafolha confirma: o Brasil quer Lula na Presidencia da República


Notícias relacionadas

  1. É, Nocaute, nada como uma bomba atômica para trazer bom ânimo aos interlocutores estadunidenses! Parabéns à Coreia do Norte por sua altivez. Cuidado também.
    Minha solidariedade, Fernando de Morais, ante a agressão do juizeco de Curitiba. Mas era previsível: esse deus de si próprio só reconhece valor a si e a alguns a quem bafeja.

  2. Cristiane N. Vieira says:

    E não é que rende piadinha e trocadilho infame?!: “o presidente cor de abóbora se encontra com o líder da Coreia do norte; qual o nome do encontro musical?”
    Smashing Trump-Kim (do nome do grupo de rock USamericano, “Smashing Pumpkins”).
    Enquanto os EUA não resolverem smash o Kim e as Coréias, apenas o resto do mundo com ou sem armas nucleares, vou chamá-lo de presidente Dumpkins (dump = lixo), ou Pumpkins (abóboras, por sua aparência)E não é que rende piadinha e trocadilho infame?!: “o presidente cor de abóbora se encontra com o líder da Coreia do norte; qual o nome do encontro musical?”
    Smashing Trump-Kim (do nome do grupo de rock USamericano, “Smashing Pumpkins”).
    Enquanto os EUA não resolverem smash o Kim e a Coréia, apenas o resto do mundo com ou sem armas nucleares, vou chamá-lo de presidente Dumpkins (dump = lixo), ou Pumpkins (abóboras, por sua aparência), quem sabe Bumpkin (tacanho), ou um mais completo, Pimpkin (cafetão estúpido). Nesse caso, as aparências não enganam.
    Sampa/SP, 15/06/2018 – 02:34.

  3. Cristiane N. Vieira says:

    Desculpem, o comentário acima teve erro de revisão e uma repetição de parágrafo não intencional que prejudicou o argumento, rs.
    Nocaute, não tem como liberar as opções de editar ou apagar comentários?
    Sampa/SP, 15/06/2018 – 02:42

A sua opinião é importante, comente!