América Latina

Governo sufoca tentativa de golpe de Guaidó na Venezuela

Líder golpista venezuelano publicou um vídeo no Twitter convocando civis e militares para saírem às ruas de Caracas a fim de assegurar a “cessão definitiva da usurpação” do presidente do país, Nicolás Maduro. O movimento golpista foi contido pela guarda nacional bolivariana.

No início da manhã desta terça (30)  o líder golpista venezuelano, Juan Guaidó, publicou  um vídeo no Twitter, convocando cidadãos e soldados venezuelanos para saírem às ruas de Caracas a fim de assegurar a “cessão definitiva da usurpação” do presidente do país, Nicolás Maduro. Em resposta, Maduro afirmou que sofre “tentativa de golpe de Estado” e minimizou a ação.

Logo após a divulgação do vídeo, notícias falsas se espalharam dizendo que o grupo de Guaidó havia tomado a base La Carlota. A informação foi desmentida pelo presidente da Assembléia Nacional Constituinte da Venezuela: “Nenhuma instalação militar foi violada no país, eles estão na rua no Distribuidor Altamira e estamos direcionando as operações da Base Aérea La Carlota”, explicou Diosdado Cabello.

As imagens mostram que Lopez, Guaidó e os militares golpistas estavam em uma autopista, no lado de fora da base, com algumas armas, tentando convocar seus partidários para tomar a avenida.

Durante a madrugada, o movimento golpista, aproveitou alguns militares dissidentes para libertar Leopoldo Lopez de sua prisão domiciliar. Lopez estava preso desde 2014 por ser o mentor intelectual de 43 assassinatos na tentativa de golpe daquele ano. Juan Guaidó acompanhou a operação. Os dois são membros do partido de extrema-direita, Voluntad Popular.

Também no Twitter, o ministro da Comunicação de Maduro, Jorge Rodríguez, disse que o grupo de militares “traidores” é reduzido e chamou o grupo de Guaidó de “ultradireita golpista e assassina”. “Estamos enfrentando e desativando um grupo um grupo reduzido de militares traidores que se posicionaram na distribuidora Altamira para promover um golpe de Estado.”

O comandante estratégico operacional da Força Armada, Remígio Ceballos afirmou que os militares estão unidos pró-Maduro. “Estamos vencendo contra um minúsculo grupo de desorientados e enganados”, disse no Twitter.

Juan Guaidó se declarou presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro. Em seguida, uma série de países ideologicamente alinhados com os Estados Unidos o reconheceram como presidente.

Acompanhe ao vivo os desdobramentos da tentativa de golpe.


Notícias relacionadas