Brasil

Pego com a boca na botija, Crivella sofre massacre da Globo, maior concorrente da Record

Bispo licenciado da Igreja Universal e sobrinho de Edir Macedo, o prefeito do Rio foi registrado por reportagens da Globo oferecendo vantagens a fiéis e pastores, e agora pode sofrer um processo de impeachment.

Já foram protocolados três pedidos de impeachment contra o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), por suspeita de improbidade administrativa e crime de responsabilidade. Um pelo vereador Átila Nunes Filho (MDB), outro pelo PSOL e um terceiro por um grupo de servidores, enviado diretamente à Justiça.

Os parlamentares acusam Crivella, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, de oferecer facilidades a pastores e frequentadores da igreja no atendimento pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e no pagamento de impostos.

Os pedidos de impeachment foram motivados após o jornal “O Globo” divulgar que o prefeito fez um encontro reservado no Palácio da Cidade, sede da prefeitura, na última quarta-feira (4), com líderes evangélicos. Em um dos áudios divulgado pela reportagem, o prefeito diz que, se “os irmãos” tivessem alguém na igreja com problema de catarata, era só procurar um de seus assessores.

Crivella também ofereceu ajuda a pastores com problema no pagamento do IPTU. “Igreja não pode pagar IPTU, nem em caso de salão alugado. Mas, se você não falar com o doutor Milton, esse processo pode demorar e demorar. Nós temos que aproveitar que Deus nos deu a oportunidade de estar na prefeitura para esses processos andarem. Temos que dar um fim nisso”, afirmou.

O prefeito negou favorecimento à Universal e afirma que a Prefeitura já recebeu os mais diversos representantes da sociedade civil. A reunião citada teve como objetivo prestar contas e divulgar serviços importantes para a sociedade.

Globo detona Crivella

O embate do Grupo Globo com Crivella – sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal e dono do grupo Record, principal concorrente da Globo – começou no início de seu mandato devido a um corte no repasse das verbas publicitárias da Prefeitura.

Além da cobertura do jornal O Globo, o noticiário do Jornal Nacional tem destinado intermináveis reportagens revelando as falcatruas de Crivella. O roto falando do esfarrapado.

O ex-prefeito do Rio Eduardo Paes aumentou os gastos com publicidade em mais de 4.000% (de R$ 650 mil a R$ 29 milhões de reais), no primeiro ano como prefeito. No final do primeiro mandato de Paes o valor chegou a R$ 150 milhões. O Grupo Globo foi o principal destinatário dessa montanha de dinheiro.

Como era de se esperar, a empresa da família Marinho sequer noticiou o aumento da verba publicitária. Em 2015, final do segundo mandato de Paes, a Prefeitura do Rio destinou R$ 23 milhões à Globo.

Ao assumir o pleito, em 2017, Crivella cortou as verbas publicitárias destinadas à Rede Globo e começou a dar ao grupo o mesmo tratamento dispensado aos demais veículos de comunicação. Com isso, o conglomerado dos Marinho deixou de faturar quase R$ 50 milhões de receita no ano passado.

Assista ao vídeo do encontro secreto de Crivella

Notícias relacionadas

  1. Sergio Domingos Vieira says:

    A Record fez uma matéria extremamente tendenciosa no domingo a respeito da decisão de soltura do Lula, no mesmo diapasão das demais matérias do PIG. Sabe muito bem que quem anda com bandido, não pode confiar nunca. Agora, está enfrentando o mesmo veneno dessa organização criminosa chamada Globo que vai derrubar o Crivella.

A sua opinião é importante, comente!