Brasil

A República abusiva de Curitiba nega humanidade a Lula


Por esses dias, duas imagens circularam pelo mundo. Duas imagens de um mesmo fato. Curiosamente, na gloriosa imprensa brasileira, esse fato ocupou um espaço mínimo. Estou me referindo a imagem de um querido, fraterno amigo meu. Um homem alto, grisalho, de barbas brancas, apoiado em uma bengala, ele tem problema no ligamento do joelho, sentado em uma cadeira na porta da Polícia Federal em Curitiba. Leonardo Boff, meu irmão.
E a imagem de um homem que eu conheço menos, mas por quem eu tenho muito respeito que se chama Adolfo Pérez Esquivel. Os dois submetidos a uma humilhação por uma juíza chamada Carolina Lebbos. É uma juíza suplente de primeira instância. Enquanto o superior dela, o justiceiro mor, Sérgio Moro perambula pelos Estados Unidos dizendo asneiras, dona Carolina meritíssima impediu Dom Adolfo Pérez Esquivel e Frei Leonardo Boff de visitarem Lula na prisão, em um dia de visita.
Diz a legislação penal brasileira que um preso tem direito a receber familiares e amigos em dia de visita e advogados todos os dias. O Lula não, ele não. Ele pediu para receber o Leonardo Boff e o Adolfo Pérez Esquivel e essa juíza disse que não. Como depois disse não a ex-presidenta Dilma Rousseff, a um sem fim de dirigentes políticos.
Eu mesmo pedi para visitar o Lula, sei que é inútil. Mas através de um amigo em comum que é advogado, eu disse a ele que gostaria de visitá-lo.
Conclusão, o meu país tem duas constituições: uma é da República Federativa do Brasil, a outra constituição é da República abusiva de Curitiba. E o que me deixa pasmo é que não tem nenhuma instituição, nenhum nível capaz de impedir que a constituição abusiva de Curitiba viole o que diz a Constituição da República Federativa do Brasil.
As instituições do meu país estão podres. Há um outro fato que me deixou perplexo, se é que  alguma coisa ainda me deixa perplexo no governo de um sacripanta chamado Michel Temer cercado de bucaneiros. Eu lembro quando aquela nefasta figura do José Serra foi nomeado ministro das Relações Exteriores, ele anunciou que o Brasil ia passar a ter uma política externa independente de ideologias. Como tudo que diz e disse ao longo da vida o José Serra, a palavra dele não vale um tostão furado. Mais ideologizada que nunca, talvez. Porque? Por que tudo é feito na base da ignorância, do desprezo, da troglodítici.
Agora mesmo seis países, Argentina, Brasil , Chile, Colômbia, Peru e Paraguai anunciaram que estão suspendendo sua participação na UNASUL. O que é UNASUL?
União das Repúblicas Sul-americanas, criada a pouco mais de dez anos por Hugo Chaves, Nestor Kichner e Lula da Silva como forma de se contrapor a pressão dos Estados Unidos que queria a ALCA, Área de Livre Comércio das Américas, que queria dizer a entrega total do países latinos americanos ao poder imperial de Washington.
Com isso metade dos países do UNASUL caíram fora. Que papelão que tristeza, que absurdo, que asco.
A diferença, eu não canso de repetir isso aqui, é que governo facínoras como de Mauricio Macri, Sebastiao Piñero no Chile foram eleitos. O Temer não, é ilegítimo até na hora de cometer uma estupidez como essa.
A UNASUL é um sistema de integração que impediu o golpe de estado quando estavam vivos ou ativos, Chaves quando estava na Presidência o Lula, o Nestor ou a Cristina Kirchner, soube impedir golpe de estados, soube fazer frente a OEA, que é a exceção do organismo de direitos humanos da OEA, é tudo controlado por Washington.
Eu não sei mais o que vai acontecer, quer dizer, uma juizinha de província da república abusiva de Curitiba impede Lula da Silva de receber dois amigos e não dois amigos assim à toa: Leonardo Boff e o Prêmio Nobel da Paz.
E o Michel Temer se soma aos que querem acabar com UNASUL. E pensar que este país já teve peso e liderança, espaço consolidado no mapa global. Que coisa.
Leia também:

STF tira de Moro delações contra Lula sobre sítio de Atibaia

Antonio Palocci fecha acordo de delação premiada com a Polícia Federal


Notícias relacionadas

A sua opinião é importante, comente!