Ensaio

Nada mata Fidel. Nem a morte

Por Fernando Morais
Durante nove dias uma carreta militar transportando as cinzas do Comandante Fidel Castro atravessou Cuba de ponta a ponta, de Havana a Santiago, refazendo, em sentido contrário, a trajetória da Coluna Heroica chefiada por ele que derrubou a ditadura de Fulgêncio Batista em 1959. No sábado, 3 de dezembro, a urna contendo os restos mortais de Fidel foi recebida na Praça Antonio Maceo, em Santiago, por uma multidão de centenas de milhares de pessoas, entre as quais se encontravam chefes de estado e personalidades vindas de todos os continentes. O Brasil estava representado pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff e por uma pequena delegação formada por sindicalistas, lideranças de movimentos sociais e jornalistas.
Às sete horas da manhã de domingo, dia 4, a urna foi sepultada no cemitério Santa Efigênia, em uma cerimônia fechada, da qual participaram apenas os familiares de Fidel e os presidentes Nicolás Maduro (Venezuela), Daniel Ortega (Nicarágua), Evo Morales (Bolívia) e os ex-presidentes do Brasil Lula e Dilma. Ao invés de um mausoléu, as cinzas do Comandante foram depositadas em uma cavidade de um bloco de granito e cobertas com uma placa de mármore negro sobre a qual está gravada uma única palavra: “Fidel”.
A simplicidade e o recato da cerimônia cumpriam determinação do próprio Comandante, que exigiu, horas antes de falecer, que seu nome e sua figura “nunca fossem usados para denominar instituições, praças, parques, avenidas, ruas ou outros lugares públicos nem erigir em sua memória monumentos, bustos, estátuas e outras formas de tributo”.
Nocaute publica aqui uma seleta de fotos da cerimônia, realizadas por Ricardo Stuckert e acrescidas de duas fotos do Estúdio Revolución. O personagem de camisa escura que aparece ao lado de Fernando Morais é o físico nuclear Fidel Castro Diaz-Balart, primogênito de Fidel e cada dia mais parecido fisicamente com o pai.
 
15369850_1483340541683211_1009026340_o
 
15311547_1483340961683169_943773185_o
 
15368962_1483340795016519_1373019129_o
 
15387533_1483340721683193_190544021_o
 
15311517_1483340551683210_1585973540_o
 
15310897_1483340905016508_1937946056_o
 
15387447_1483340591683206_427559549_o
 
15310815_1483341021683163_403183147_o
 

15311379_1483340728349859_1317117253_o

O físico nuclear Fidel Castro Diaz-Balart ao lado de Fernando Morais


 
Foto: Estúdio Revolución

Foto: Estúdio Revolución


 
Foto: Estúdio Revolución

Foto: Estúdio Revolución


 

Notícias relacionadas

  1. Adelia Sylvia Penna Ramos says:

    Emocionante ler esse texto e ver essas fotos. Obrigada por partilhar conosco esses triste momento
    do adeus a Fidel. Que faz agora parte da História.

  2. Sonia Campelo Gabriel says:

    Fidel nunca será esquecido. Um dos maiores líderes do século XXI. Conheci Cuba e cheguei a assistir um dos seus longos discursos no dia primeiro de maio em homenagem ao dia do trabalho. Ele tinha um grande carisma e emocionava o povo cubano!

A sua opinião é importante, comente!