América Latina Brasil

Bolsonaro: “Minha maior preocupação não é com Maduro, mas sim a Kirchner vencer as eleições na Argentina”.

Em conversa com jornalistas, na saída de cerimônia de formatura de diplomatas em Brasília, nesta sexta-feira (3), Bolsonaro afirmou que está mais preocupado com uma eventual vitória da senadora Cristina Kirchner nas próximas eleições presidenciais na Argentina do que o conflito interno na Venezuela.

Nesta sexta-feira (3), Jair Bolsonaro afirmou que “além da Venezuela, a preocupação de todos nós deve voltar-se à Argentina, sobre quem poderá voltar a governar aquele país”, afirmou. “Não queremos, o mundo inteiro não quer, outra Venezuela mais ao sul do nosso continente”, acrescentou.

Sobre a crise na Venezuela o presidente disse que “se não enfraquecer o Exército da Venezuela, Maduro não cai”.

“A gente espera que essa fissura, que está na base do Exército, vá para cima. Não tem outra maneira. Se você não enfraquecer o Exército da Venezuela, o Maduro não cai”, afirmou.

Bolsonaro também disse que não tem o que dialogar neste momento com Maduro. Segundo ele, o que o governo brasileiro deseja, que é a sua saída do cargo, ele não atenderá.

“Não tem o que conversar com ele. O que nós queremos, no meu entender, ele não vai ceder”, disse.

No entanto, o presidente disse que o que lhe causa maior preocupação no momento não é a crise na Venezuela e sim a sucessão presidencial na Argentina.

“A minha maior preocupação é com a Argentina hoje em dia”, disse o presidente. “Vai no limite do [Palácio do] Itamaraty”, acrescentou quando questionado sobre o que o Brasil poderia fazer.

“Além da Venezuela, a preocupação de todos nós deve voltar-se à Argentina, sobre quem poderá voltar a governar aquele país”, afirmou. “Não queremos, o mundo inteiro não quer, outra Venezuela mais ao sul do nosso continente”, acrescentou.

Desde que Macri assumiu a Presidência em 2016, a situação econômica do país vem piorando, com aumento da inflação, que chegou a seu recorde desde 1991, com 4,7%, em março, e da pobreza, que já atinge 32% da população. Esse quadro vem minando as chances de reeleição de Macri. ​Kirchner lidera as pesquisas de intenção de votos.

Em pesquisa divulgada em 20 de abril pela consultora Isonomia, Cristina levaria 9 pontos de vantagem num eventual segundo turno contra Mauricio Macri. As eleições presidenciais na Argentina estão marcadas para 27 de outubro.

Notícias relacionadas